02/03/2012

Balada n° 171 - paródia

Do genial Benett. Vai lá: http://chargesbenett.wordpress.com/

Sua prisão num escândalo, um povo bravio
Querem torcer seu pescoço ao menos uma vez
O velho pateta recorda as armações felizes
Martando gente inocente e gerando exclusão

Hoje outros temem cair na sua mesma roubada
Na malha fina balança seu último jogo
Mas pela denúncia em escondido parou
E para sempre a jogatina acabou
Suas propinas roubadas valeram de nada
Em acto flagrante dançou

Cadeia em você, cadeia em você, você roubou
Até remédio contra câncer desviou
Cadeia em você, cadeia em você, te abandonou
Do vídeo quem não foi pêgo e logo se mandou

Esconde os braços e corre pra dentro algemado
Vai dedilhando na tinta pois foi condenado
No parlamento só corrupção
Tantas mães em luto e dor no coração
Que idosas na fila caídas, por seu caráter tão bizonho
Que confiante demais um dia vacilou

Cadeia em você, cadeia em você, você matou
Até merenda de escolinha desviou
Cadeia em você, cadeia em você, te abandonou
Toda a corja que um dia você ajudou

Esta é uma paródia de "Balada Número Sete", homenagem de Moacyr Franco a Mané Garrincha, que ao contrário dos que em breve pedirão o teu voto, só deu alegrias ao Brasil, em vida. Abram os olhos! E fechem os bolsos. Abaixo, a canção com slides.



Letra original, genial e muito chorosa, clicar aqui.
Minha singela homenagem ao Moacyr, no Talicoisa, clicar aqui.

2 comentários:

Newdélia Domingues disse...

Amigo, amei! Muito bom mesmo!!! Adoro ter tempo e vir aqui ler seus textos. Parabéns!
Qdo faremos um livro? Há anos lhe cobro isso, né? Mas sou persistente.
Beijos doces.

Nanael Soubaim disse...

Caríssima, já tenho um tema em mente, agora preciso estudar para fazer uma obra convincente.