27/01/2011

Apagam-se as luzes


Por pouco dinheiro, uma hora de felicidade.
Salas de cinema são entretenimentos baratos. Cada vez menos baratos no Brasil, reconheçamos, mas ainda são. É cada vez mais comum haver salas em shoppings e menos nas ruas. Os motivos vão desde o conforto e a conveniência, até a segurança, que em nosso país ainda é crítica, a ponto de conversíveis serem pouco vendidos por não poderem ser utilizados à noite sem sérios riscos aos ocupantes. E olha que há buggies abertos baratinhos por aí.


A vantagem das salas em shoppings acaba se tornando uma armadilha, não só pelo preço maior. Em ambiente fechado elas te privam da noção de tempo, podendo te fazer sair tarde demais, que em terras tupiniquins significa perigoso demais, gerando mais gastos com táxi. Entre um filme e outro, o risco de estourar o cartão de crédito é iminente. Ou vocês pensam que eles alugam espaços para cinemas por amor à arte?


As salas de rua são mais expostas aos meliantes e às intempéries. É fácil pensar que um elemento vai se espreitar na multidão para se aproveitar de vocês, porque se puder ele vai. As chuvas costumam prender à porta do cinema quem acaba de sair de uma sessão, pois ainda não temos o hábito de levar guarda-chuvas, e as chuvas tropicais sempre foram mais inclementes do que as do hemisphério norte. Com o esvaziamento dos últimos anos, a renovação de filmes fica mais difícil, já que as salas pagam pelas cópias. Não dá para piratear filmes de prata como se fazem com DVDs, sai muito mais caro e sem qualidade. E quem conhece sabe, a película ainda hoje tem uma qualidade que nenhum sistema digital conseguiu igualar. As imagens podem ser ampliadas numa proporção de fazer raiva aos fabricantes de processadores. Por isto é caro trazer um filme.


Mas as salas de rua também têm vantagens. Elas são abertas em lugares habitados, nos quais o cliente está a poucas quadras de distância, bastando assim uma pernada para se voltar para casa. Podem ser um ponto de encontro e um foco de coesão para a comunidade. Infelizmente a especulação imobiliária acabou por dificultar a modernização destas salas, já que qualquer pedacinho de terra custa os olhos da cara em lugares bem localizados, sendo mais lucrativo vender para empreiteiras construírem edifícios de condomínios. Elas tiveram mais três ameaças sérias de morte, ao longo do século passado:


• O advento da televisão. Acabou não colando. A qualidade da transmissão à época era péssima, valia mais como meio de comunicação em tempo real, e as salas passaram a utilizar as telas widescreen, em substituição às quadradas de até então;


• O advento do videocassete. Este foi uma ameaça mais consistente, mas nem todos os filmes estavam disponíveis em fita e a ida ao cinema sempre foi parte de um programa, assim como a ida a um restaurante;


• A queda brutal na qualidade, nos anos oitenta e noventa. Esta quase matou Hollywood.


A decadência de uma sala de cinema tem cinco fases: Demora na renovação do acervo, exibição só de filmes velhos, exibição só de filme pornô, exibição de filme pornô velho e finalmente virar igreja caça-níqueis. Há no centro, em uma parte residencial, o Cine Santa Maria, que só tem filmes pornôs... Goiânia já teve vários cinemas, ao menos uma sala em cada bairro, hoje há algumas no centro e a maioria é de empresas de fora, em shoppings.


Entre os que resistiram, há um em São Paulo que deveria ter sido tombado pelo Estado, não derrubado por sua incompetência e descaso para com a cultura: O Cine Belas Artes.


Fundado em 1943, como Cine Ritz, quando o mundo se precipitava na pior guerra de todos os tempos, o Cine Belas Artes tornou-se um foco de entretenimento para pessoas que viam seus pais, filhos e irmãos sendo mandados para a morte certa na Europa. Aqui um blog que tentou de tudo para preservar o cinema, uma galeria e notícias recentes.


Nas duas décadas seguintes conheceu sua fase áurea, com o cinema mundial, inclusive o nosso, produzindo artigos que valiam a prata em que eram impressos. Com o tempo tornou-se uma das poucas salas a exibir filmes clássicos sem que os estúdios lançassem edições remasterizadas. Filmes de alta qualidade para quem não nasceu a tempo de vê-los em seu lançamento.


Sua sede, na Rua da Consolação, próximo ao metrô Consolação, está ameaçada pela especulação imobiliária. Foi estipulado um aluguel altíssimo para o quê ele precisaria de patrocínio, que conseguiu a tempo, mas o contracto não foi renovado e o dono do prédio o quer. Sim, aos extremistas de direita irascíveis, o proprietário do prédio tem o direito constitucional de dispor do imóvel dentro dos limites da lei. Da mesma forma como a prefeitura tem o de tirar tua casa para abrir uma rua e demorar anos para começar a pagar menos do que ela vale. Essa mentalidade do cada um por si e todos contra todos já causou estragos demais. Nós vivemos em comunidades, não em cavernas isoladas.


O que os críticos não entendem, e não se esforçam para entender, é a importância cultural do Belas Artes. Ele faz parte da história recente de São Paulo, e se está “decadente”, como muitos alegam, o facto não afasta os freqüentadores fiéis. Se esquecem, desculpem o trocadilho, que a falta de memória é um dos entraves ao desenvolvimento do país, porque PIB para um bom padrão de vida nós temos. Ignoram solenemente que a valorização da cultura pelo Estado é um dos grandes muros que separam o Brasil dos países com boa qualidade de vida generalizada. Mas assim como os marxistas de boutique, os direitistas azedos querem que o mundo se molde às suas idéias tortas e viram as costas para o resto. Roma, Paris, Londres e aos poucos também Moscou, são exemplos de cidades que têm boas receitas naquilo que esses críticos desprezam, sua cultura e memória.


Ainda que tardiamente, por interesse (e pressão) público, o processo de tombamento já começou. Foi protocolado o pedido. Não é a falta de público, é o egoísmo de quem só enxerga seu próprio umbigo que está matando a cultura no país. Resta esperar que saia a tempo de evitar que uma igreja caça-níqueis acabe comprando o prédio, porque estas não desprezam só a cultura, desprezam absolutamente tudo o que não for de sua influência, inclusive mandados judiciais. Este, até que tudo se resolva, é o último mês de funcionamento do cinema, cujos funcionários já estão de aviso prévio.

5 comentários:

New disse...

Hoje os cinemas foram engolidos pelos shoppings e com isso o preço do ingresso hoje é um roubo. Como o povo pode ir uma vez por semana ao cinema com o preço dos ingressos lá no topo? Um absurdo. Por isso, vê-se as salas vazias quase sempre.

Beijos

Anônimo disse...

LIXO COMUNISTA

Nanael Soubaim disse...

Não, anônimo, eu não sou comunista. Os comunistas radicais me odeiam, tu nem imaginas o que já li deles. Pelo que vejo em teu suscinto e fútil comentário, estás no outro extremo e, como o outro, não enxergas mais do que teus dogmas ideológicos impõe, inclusive a falta de respeito à casa alheia.

Adriane Schroeder disse...

Gente que posta anomimamente não merece nem um segundo de atenção, Nanael.

Nanael Soubaim disse...

Eu já tive anônimos que deram boas contribuições. Pensei em apagar o comentário, mas o deixei para vocês verem que eu não exagero quando falo de radicais.