06/01/2007

Maçã Feinha

Hoje busquei uma camisa nova. Encomendei ao Zé, meu alfaiate, em Dezembro, mas pelo sufoco só ficou pronta agora. O bom de uma roupa sob medida é que lhe serve como se tivesse nascido no teu corpo, não falta nem sobra. R$ 45,00 por uma peça tão bem feita até que não é caro, convenhamos.
Depois fui ao supermercado, onde aproveitei para comprar maçãs. Interessante que não eram maçãs vistosas, brilhantes e uniformes, tampouco eram grandalhonas ou dignas de um comercial. Eram maçãs pequenas, discretas, com coloração e formato mais irregulares, algumas até feinhas. Mas não me importa. São suculentas e as como diariamente. O que me chamou a atenção porém, é que havia um inseto passeando sobre uma delas. Um inseto ordinário, desses que esmagamos todos os dias sem querer, confundindo com a sujeira do chão. Não era uma barata, ou eu teria chamado a Vigilância Sanitária. Era um insetinho apenas, sensível às mudanças climáticas e aos agentes químicos. Aí é que está a boa notícia: O uso de agrotóxicos foi bem mais moderado, ou aquela criaturinha minúscula não estaria lá, as maçãs teriam crescido mais e mais belas, a productividade teria sido muito maior e o preço no caixa seria menor. O que acabou conservando aquelas maçãs foi o resfriamento, a mão de obra deve ter sido ágil, ágil a ponto de não escolher muito as estéticas. Mas fico feliz assim mesmo. Comprei pouco mais de um quilograma e meio, que agora sei que não vai me custar mais do que paguei no caixa.
Como um mão-de... Digo, como um rapaz econômico que se preze, eu não rejeito uma boa promoção, se estiver precisando do artigo, se não estiver, troco a economia de 75% na boca do caixa pela de 100% por nem entrar na loja. Mas há "ecanomias" que não valem a pena. É como a China, que está fomentando a degradação humana e ambiental apenas para suprir suas necessidades imediatas, como um adolescente irresponsável que logo ficará sem nada, mas não sem antes causar estragos também para os outros. Preferível gastar alguns reais a mais, algumas horas a mais, do que conseguir uma dívida que não se pode pagar, como um câncer de intestino ou uma alergia generalizada, que te impedirá de comer quase tudo e tomar quase todos os medicamentos que poderiam ajudar. Nesse caso não é gasto, é investimento que, ao contrário da especulação, tem retorno farto e cem por cento garantido.
Também por isso preferi mandar fazer a camisa, eu sei como ela é feita, pelo menos a parte de corte e costura eu tenho certeza de que não degrada nem explora, pois todos os alfaiates de lá ganham o justo pelo seu trabalho, e no fim do ano fizeram a festa. Tanto que já separei o tecido para as próximas calças, quando for encomendá-las será só cortar e costurar. É meu tecido, está guardado. Coisas que só um alfaiate faz por nós, impensável em uma confecção que subemprega migrantes e imigrantes e falsifica a marca.
Decerto que com isso eu fico fora da moda predominante, mas depois que nos acostumamos a ter o que realmente merecemos, não abrimos mão ainda que seja mais oneroso, percebemos que a economia que fazemos é muito maior. Ainda que eu pudesse pagar dez reais por uma camisa tamanho único ou R$ 0,99 por maçãs regadas com toxinas. Quando se conhece o céu, até a Suécia parece ser miserável.

3 comentários:

Anônimo disse...

Eu também penso assim, culpa da minha mãe. Viva à qualidade!
Ah, eu também adoro comprar tecidos pra mandar costurar. Um dia eu aprendo a costurar e faço eu mesma, já pensou que chique?

Nanael Soubaim disse...

Pois faça o curso, eu te desenho os modelitos.

Nathalia disse...

O teu blog tá muito bom, muito interessante, depois passa lá no meu e deixa um comentário(omundodasdollz.blig.ig.com.br)

Bjs