18/02/2013

Uma bilionária entre nós


Yoani Sánchez, famosa multi bilionária, acaba de desembarcar no Brasil. A magnata, que fez fortuna atacando cruelmente o pobre coitadinho do Pinel Castro, desceu de sua nave espacial particular, precedida de cento e cinqüenta seguranças fortemente armados, que rechaçaram os pedidos de clemência em favor do mártir cubano.

Logo atrás dela, cerca de duzentos servos trazem sua bagagem de mão, seu cãozinho selecionado e modificado geneticamente, e seu casal de aves-dodô. Todos vestidos com fraque e cartola, ou tiara de prata, no caso das servas. Todos descendo e cantando a musiquinha "Lere-lelê lere-lelê lelê...".

Em sua curta estadia, Yoani pretende divulgar seu primeiro o livro em língua portuguesa, o "Eu, traidora e mercenária", onde conta como enriqueceu com dinheiro americano, sendo agente secreta da CIA em Cuba. Logo na apresentação, ela confessa suas torpezas e ataques maldosos contra a verdade sagrada e absoluta do grande líder Pinel Castro.

Durante as palestras que dará, só para quem pagou dois mil dólares adiantados, por cadeira, ela ensinará a se tomar gosto pelas desigualdades sociais, ver com escárnio a manifestação de livre opinião, e a zombar da infância de crianças pobres. Revelará ainda seus planos para destruir o paraíso para mulheres e homossexuais em que a ilha se tornou, sob a batuta bondosa e misericordiosa de Pinel Castro.


Fonte: Blog da Regbit
Enquanto isso os gatos pingados que representam, sozinhos, toda a população nacional, clamam para que ela deixe o Brasil, ou ao menos não faça os enormes estragos sociais junto ao enquanto perante a um nível de, que por sua culpa assolam o paraíso cubano. Afinal, é ela a a única responsável pelo embargo à Cuba, é ela quem seduz jovens inocentes para a ilusão da democracia e liberdade de expressão, é ela quem convence os traidores a humilharem Pinel Castro, mandando dinheiro para um povo que já vive tão bem, mora tão dignamente e tem suas mulheres tão respeitosamente tratada pelos taxistas, sob a rígida vigilância dos fiscais do governo.

Se tivéssemos um governo de esquerda de verdade, o avião teria sido abatido em alto mar, ainda que matasse todos os outros passageiros, tudo em nome dos ideais. Mas não temos! Dilma é uma banana! Nem censura com fuzilamento sumário ela impõe!

Somente um governo vendido ao imperialismo americano, capacho da CIA, um governo de viúvas enrustidas do FHC, é que poderia deixar uma traidora perigosa invadir o território nacional, sem permissão, sem passaporte, sem lenço e sem documento! Eu vou! Por que não? Por que nãããããããoooooo?

Oh, coitadinhos de nós! Quem poderá nos defender? Yo! El Chavolín Aloprado!

Pepitos de my corazón, eu tinha quase jurado a mim mesmo que nunca mais tocaria em assuntos políticos, especialmente quando fosse de política internacional... Mas não dá! Uma pessoa na minha idade, não tem muita tolerância com infantilidades vindas de adultos. Tanto não dá, que teria quebrado a promessa isso há uns meses, se a tivesse feito.

E por que retomei o tema? Primeiro porque o blog é meu, o editor dele sou eu e eu escrevo o que eu quiser, já que sustento uma democracia para isso mesmo... Muito mequetrefe, mas ainda é uma democracia, né, Yoani!

Segundo em respeito aos meus leitores, que quase sempre acabam se tornando meus amigos. Mesmo muitos amigos de tendência à esquerda, enfiam suas cabeças no buraco mais próximo quando ouvem alguém usar os termos "justiça social", "liberdade de expressão" e "democracia para descrever o que há em Cuba e na Mocréia da Morte. Especialmente a sensata amiga Anita, que é estourada, mas sempre estoura em prol do bom senso e da maturidade psicológica.

Terceiro e último porque não me deixariam comentar nas páginas dos jornais. Sempre juntam turmas imensas, ou um número imenso de fakes, para gritar em maiúsculas as palavras de ordem e os discursos a que se resumem seus argumentos. Só ouvem e lêem o que sai da imprensa oficial. Querem ser ouvidos, mas não toleram ouvir.

Não, eu não sou contra haver uma imprensa oficial, sou contra ela ser a única imprensa legalizada em um país.
Não, eu não sou contra o Estado fomentar pesquisas de toda sorte, sou contra ser o único financiador legal em um país.
Não, eu não sou contra haver empresas estatais no mercado, sou contra serem as únicas autorizadas a funcionar em um país.
Não, eu não estou ganhando um centavo sequer para escrever isto. Estou ferrado e meu computador vive dando pau.

Sejamos francos, se ela recebesse um décimo do que a acusam, ela não teria mofado por anos em filas para receber passaporte, que sempre fora negado SEM EXPLICAÇÕES à cidadã; ela estaria vivendo em uma bela casa de praia na Costa Oeste americana, mandando milhares de dólares por mês para sua família. Esta, aliás, é uma das principais fontes de renda de muitos, mas muitos cubanos.

Yoani teria cidadania americana quando quisesse, ainda mais com a rede de amizades intelectuais que tem pelo mundo, especialmente no Brasil. Mas preferiu permanecer em território cubano, onde foi presa várias vezes, sem acusação formal; algo que a nossa juventude imatura e mimada  parece ter esquecido o que é. Não, não quero que saibam na pele, nem de longe quero que sintam o que até uma criança de colo sentiu, ao ser presa com a mãe. Só gostaria que parassem de ler, ver e ouvir informações de uma só fonte.

Uma fonte única, ainda que seja de boa fé, e isso nenhuma ditadura tem, acaba cometendo erros. Eu leio fontes de direita, de centro, de esquerda, de anarquistas, de alienados, enfim, eu não excluo uma fonte só porque me parece antipática. Nenhuma mesmo. Ter fonte única e considerá-la totalmente confiável, não conseguir dar bom-dia sem apelar para discursos e palavras de ordem, é dogmatização, lavagem cerebral pura, torpe e simples.

Eu já li os textos dela. Ela sempre deixa claro que conhece, e lamenta pelas injustiças sociais no Brasil. Nunca escondeu isso. Também deixa clara sua personalidade irritadiça, quando tentam usar sua vida pessoal como desqualificador. Ela é brava, inquieta, pavio curto e tudo mais. Mas dizer que ela traiu seu país, é como acusar o Fiqueiredo de leso-pátria, por ter colocado Maluf em seu devido lugar, ao dizer que prenderia e arrebentaria quem se opusesse à transição democrática.

Ela não quer que Cuba se torne um paraíso especulativo, quer simplesmente que se torne uma democracia, onde o povo possa escolher quem vai representá-lo e, assim, ter chances de conseguir uma vida digna. Não sei se vocês leram as primeiras reportagens sobre Cuba, mas mesmo as mais elogiosas afirmavam que lá se vive muito mal, tanto que usaram o facto de Yoani ter comprado banana e tomado cerveja com os amigos, para dizer que estava enriquecendo com o suborno da CIA.

Meu Deus!!! Eles têm uma base em território cubano, uma base enorme. Se qualquer presidente americano dissesse "Tomem o poder", mesmo que houvesse potência militar que fizesse frente, e não há, não haveria tempo para reação. Cuba está aos pandarecos, só os hotéis para turistas desfrutam de infra estrutura mínima. Seria fácil, o povo já está acostumado a prisões arbitrárias, e como os espiões do regime andam à paisana, poderiam prender qualquer um que se opusesse. Qualquer um mesmo.

Voltando ao caso específico... Os fulanos nem conhecem a cobra-criada, mas boa gente, e já enchem a internet de protestos contra sua presença no Brasil, como se isso fosse nos fazer algum mal. Nem entrarei em detalhes sobre as vistas-grossas para com as denúncias que eles se recusam a averiguar, já que só lêem o que a imprensa oficial manda, como os fiéis de certas igrejas caça-níqueis... Tenho muitas amigas cobras-criadas, não é necessáriamente prejorativo, sei do que estou falando.

O que mais desabona nossa democracia, já tão combalida, é fazerem acusações sem apresentar absolutamente nenhuma prova. Se houvesse uma só prova real, ela jamais teria saído da última detenção. Acontece que ela é muito popular, muito bem-quista na ilha. Como sei? Lição básica de política: Não se molesta um herói nacional, sob hipótese alguma, ao menos não de modo que pareça perseguição oficial. Longe de ser uma heroína, suas seguidas solturas mostram que a população ficaria extremamente aborrecida, se algo lhe acontecesse, porque não foi uma nem duas, são de perder a conta a quantidade de pessoas que somem nos porões da ditadura.

O azar dos Castro, foi ela ter conseguido se comunicar rapidamente. Claro que neste ponto, houve ajuda dos Estados Unidos, mas não do governo. A ajuda, pela disseminação rápida e eficaz do blog, se deveu aos fugitivos do regime, que gostem os ditadores cubanos ou não, são quem garante um mínimo de dignidade aos parentes que ficaram em território cubano, e garantem uma parcela considerável do PIB. Não fosse verdade, essas remessas seriam ilegais. Afinal, só a Mocréia da Morte ainda tem mesada e, diga-se de passagem, a China já pensa seriamente em cortá-la.

Finalizando, nas minhas atribuições constitucionais de livre expressão: BEM-VINDA, YOANI. FIQUE À VONTADE, QUE A CASA É NOSSA. DIGA O QUE QUISERES, AQUI TU PODES.

7 comentários:

Francisco J.Pellegrino disse...

Sensacional o assunto de hj no blog, parabéns.

Rui Amaral Jr disse...

Parabéns!

Paulo Levi disse...

Texto excelente - e com a santa indignação que o caso merece.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Quem é a Mocréia da Morte????

Nanael Soubaim disse...

Paródia da Coréia do Norte 8-)

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Agora entendi. Bem vinda, Yoani Sánchez. Pode até morar aqui, se quiser. E, quanto a esses calouros da USP, retardados e sem-noção, mande-os para a merda.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Seja muito bem vinda, Yoani Sánchez. Seja muito bem vinda mesmo. Seja bem vinda pra carvalho.