09/07/2010

A exemplo do pai


Já sem a fortuna, sem os aliados, sem seguranças, ele entra na sala preparada. Dois guardas presentes garantem que ele não o mate. Não que suas condições físicas ainda o permitam, mas ele já teve um ataque de fúria insana que lhe rendeu a má fama, embora esta o tenha tornado um ídolo do grupo machista que freqüentava. Hoje, porém, a menor alteração de pressão arterial pode terminar em óbito.

O rapaz entra em seu uniforme laranja. Vergonha. Se ainda tivessem algum, não saberiam o que dizer aos amigos. Um metro e meio de prancha do tampo da mesa os separa. Pensa no tempo em que simplesmente sacaria uma pistola, descarregaria o pente e tudo ficaria por isso mesmo. Mas não tem mais armas e já não pode ficar impune, um imenso castigo para quem varou meio século fazendo e desfazendo o que bem quis.

O olha nos olhos pela primeira vez. Durante os trinta anos precedentes simplesmente o assistia de longe, somente dando dinheiro e maus conselhos, para que perpetuasse o poder da família. Vendo que não tem como matar o próprio filho, e mesmo que pudesse seria pego em flagrante delito, solta o único pensamento que lhe vem à mente...

- Por que?

- Porque sim.

- O que você tem contra nós?

- Nada. Foram só negócios, mas deram errado, fazer o quê?

- Você acabou com a fortuna da família, deixou a sua mãe no hospital e só me diz isso?

- Não paga sapo, pôrra!

A situação é extremamente incômoda. Pela primeira vez não pode satisfazer seu desejo de vingança, não naquele momento e nem como quer. A perda do prestígio fez processos desaparecidos ressurgirem do nada, está sob investigação e ninguém quer se comprometer com quem não pode dar garantias. Os guardas inclusive evitam que diga tudo o que quer, seria uma confissão que a Polícia Federal reza para obter. Respira, mede as palavras e segue...

- Eu te ensinei a respeitar a sua família. Te mostrei que deveria preservar a sua casa custasse o que custasse. Te ensinei a ser duro nos negócios, eu sei, afinal todo mundo sabe que gente boazinha passa fome neste mundo.

- Ninguém gosta mesmo de gente boa, só serve pra ser explorada... Dá pra conversar, mas é só.

- É, é verdade. Não que devamos ser monstros...

- Longe disso.

- Mas quem não for esperto é engolido pelos outros.

Uma breve conversa em que eles concordam com praticamente tudo ameniza o clima, mas continua tenso e o médico da penitenciária está de plantão para uma possível ressuscitação...

- Certo. Mas o que você fez passou dos limites. Quem disse que você poderia falsificar minha assinatura para jogar tudo o que tínhamos na especulação financeira, ainda mais em um paraíso fiscal?

- Você. Desde moleque eu te via fazendo isso com os outros, rindo e contando vantagem.

- Mas isso eu fazia com os outros, não com a minha família!

- Ué! Seu irmão não era "família"?

Emudece. Agora se lembra que lesou o irmão mais velho, talvez o único honesto da família e o deixou definhar até morrer em um leito imundo de um hospital público. Não gostava de receber conselhos dele, assim como o filho agora não aceita os seus...

- Era um otário, queria dividir a fortuna em parte iguais até pros bastardos do meu pai. Onde já se viu? Tinha até negros no meio deles. Os interesses maiores da nossa família estavam em perigo pela demência utópica de um visionário.

- Defendeu os interesses da família.

- Sim, claro.

- Família que se resumia a você. Fiz o que você fez. Na verdade fiz até menos, vocês ainda têm uma casa e um supermercado pra viver, o meu tio morreu no Hugo.

- Mas eu sou o seu pai - diz visivelmente enfurecido.

- Negócios, negócios, família à parte. Você me ensinou isso desde cedo.

- Você não pensou nas conseqüências?

- Pensei. Mas o risco compensava e por muito tempo deu certo, mas melou.

- E agora, o que você vai fazer?

- Passar dez anos na cadeia... Dãããããã!

Os guardas se seguram para não caírem na risada. Nunca imaginaram que aquele ogro arrogante e misógino fosse cair em desgraça, menos ainda que presenciariam as cenas que se desenrolam. Alguém cuidou para que as imagens sejam gravadas e transmitidas, para posterior publicação na internet, sem conhecimento formal, mas com plena cooperação informal desde o faxineiro até o juiz, que não quis saber para não se comprometer.

O silêncio dura alguns minutos, o suficiente para os ânimos esfriarem e ele espairecer. Mais lhe dói ter jogado na cara o ônus de tudo o que o filho aprendeu e usou contra a família. Dói reconhecer que é tudo verdade. Não se importaria se fizesse o mesmo com os outros, mas com ele é um absurdo...

- A sua mãe está doente por isso.

- Ela acostuma. E ainda dá pra pagar uma empregada, vai continuar sem fazer nada em casa.

- Você não se importa nem com ela?

- E quem se importa? Nem você, que batia nela toda semana e contava pras suas quengas, falando "Mulher minha eu trato é assim, na tábua". Você não gosta dela, eu não me importo, então ninguém gosta, ela pode morrer que ninguém vai sentir falta.

O antebraço começa a doer. Respira pausadamente até a dor passar. Tem que reconhecer que ensinou tudo aquilo, que só se casou para ficar mais rico. Pretendia transformá-lo em um monstro como ele mesmo, mas ficou pior, ganhou nuances de cinismo que beiram a psicopatia...

- Vai fazer o quê, quando sair daqui? Porque na minha csa você não entra mais.

- Entro, nem que seja pra assaltar.

- Ladrão eu nunca fui!!!

- Foi sim. Ajudava a desviar verba de salário dos funcinários públicos, nos anos setenta, deixando atrasar até seis meses pra depois pagar só um. Se isso não é ser ladrão, então levar coisas da minha casa pra vender é menos ainda. Deixa de ser safado, foi você que me ensinou tudo o que eu fiz e agora tá bancando o inocente!

- Não fala assim comigo!

- Falo. Aliás, saiba que eu nunca matei ninguém, só dei prejuízos materiais.

Se inicia uma discussão entre rivais, que com pai e filho em nada se parecem mais. Toda a retórica ululante e verborrágica é inócua com o rapaz, que aprendeu e superou o mestre. Certo, ficou exactamente como ele queria, só não esperava ser vítima de sua criação...

- O que vai fazer, quando sair daqui?

- Qualquer coisa. Sei trabalhar, posso enriquecer rapidinho de novo. Não tô preocupado.

- Bom ouvir isso. E enquanto está aqui...

- Tô estudando. Já me filiei a um partido político pela internet, saio daqui com diploma e recomeço minha vida.

Ensinou a burlar as regras que não fossem convenientes, a família se tornou uma regra incoveniente e lhe parece que ele aplicará isto na política. Terá um grande futuro no ramo. Se prepara para sair, mas ao lembrar que terá que ir dirigindo e que não será um Mercedes-Benz, toda a raiva volta à tona de uma só vez e o enfarto é fulminante. O médico faz todo o possível, não quer de jeito nenhum que ele morra sem ser condenado pelos crimes que cometeu, mas fica frustrado...

- O desgraçado morreu... Ah, como eu queria acreditar em Deus e ter certeza de que foi pro inferno!

- Morreu mesmo?

- Morreu, filho.

- Uhú! Herdei um supermercado! Posso administrar daqui mesmo!

O corpo é enterrado no mesmo dia, por falta de quem fosse velar, só carregou o caixão quem é pago para isso. Nenhum jornal noticiou e o vídeo foi ao ar. Doze anos depois o rapaz é eleito deputado federal pelo Partido da Moral Ilibada.

8 comentários:

Lilly Rose disse...

Bom dia Amigo Nanael !!

Que texto !!! É parte d'algum livro que escrevestes ?

Ou um texto com uma Mensagem mais do que clara?

O Núcleo Familiar, saudável ou podre acaba muitas vezes sendo nosso espelho para a Vida. Muito bem escrito Nanael, que livro daria !!

Lembrei-me certa feita, de que criticava minha Mãe do modo como tratava uma Sra. muito querida p/ mim.

Fôra ela Babá de meu Pai e partiu deste Plano com idade bem avançada.

Após o falecimento de meus avós paternos, ela foi morar com meus Pais. Mas eles não a tratavam com o carinho que merecia...
Já bem idosa qdo adoeceu, pensaram em colocá-la em um asilo, o que mais tarde graças aos Céus não aconteceu !

Ela servia a todos com Amor e tratava meu Pai como a um filho. Pois o criou junto a minha Avó. Contudo meu Pai cresceu e tornou-se uma pessoa fechada, apaixonado por seu trabalho.
Eu e ele tínhamos uma conexão que não havia entre meus irmãos mais velhos, pois fui filha temporã. Contudo alienáva-se c/ as cousas da casa, deixava-as por conta de minha Mãe.

Bábá ficou doente e estarrecida qdo soube que meus Pais queriam levá-la p/ um asilo. Eu a amava muito.

Já estava casada na época. E qdo vi que a situação iria ladeira abaixo disse a minha Mãe:
- Jeito fácil de desfazer-se de quem não lhe tem mais serventia não é ?

- Talvez faça isso com a Sra. ou c/ Papai também qdo for a hora, o que achas ??
Ficou muda e continuei...

- Os Pais sempre serão um espelho p/os filhos Mãe, nunca notastes ? E contei-lhe esta:

"Um miúdo de 6 anos crescia e via como os Pais tratavam mal sua Avó Materna que com eles morava.

Davam-lhe sobras de comida requentada dentro de uma cumbuca de madeira. E com uma colher horrenda.
Um dia a Mãe acorda e escuta barulhos no quarto do miúdo ...

Curiosa abre a porta e pergunta ao filho:
- Meu Amor que estás a fazer, tão cedo aí a martelar estes pedaços feios de madeira ??

E o miúdo em sua sábia inocência respondeu:
- Mãe, já estou a adiantar minha parte. Estas serão as cumbucas e colheres de comida. Uma tua e outra para Papai.

- Eu as usarei p/ dar-lhes de comer qdo ficarem velhos assim como a Vovó."

Não há como expressar-te Nanael, o semblante de minha Mãe após minha historieta.
Só posso dizer-te que nossa Babá Querida, não foi p/ um asilo e fez sua Passagem de modo suave em casa, sentada em uma poltrona após ter cuidado de seus passarinho, que tanto amava...

Nanael, adoro vir cá ler teus escritos Amigo, sempre aprendo algo p/ minha caminha cá na Terra.
Deus deu-te um Dom !!!
Continuas a valer-se dele Amigo Querido!

Pois bom uso dele tens feito !!

Um Abençoado FDS p/ Ti Nanael !!!

C/ Carinho e Aromas de Rosas...

Lilly Rose

Nanael Soubaim disse...

Agradeço, fiota. A semana foi um martírio e só consegui escrever este texto (que só isso aí mesmo) por volta das 21h. Bom que aprendeste a tua lição tão cedo, mas espero que não tenhas guardado mágoas.

New disse...

Concordo que, na maioria, das vezes a família é espelho. Mas, isso não é regra. Quem tem filhos sabe disso. Os filhos (o ser humano), têm a tendência de repetir o que é ruim, o mais fácil.
Não podemos nos esquecer que personalidade e índole são coisas inatas e a gente, as vezes, consegue apenas moldá-las. Muitas vezes não e isso não é por incompetência. Minha avó já dizia: 'o que é bom nasce feito, o que é ruim não tem jeito.'
A vida me esninou a mesmíssima coisa.
Beijocas doces.

PS.:qdo sai o livro?

Nanael Soubaim disse...

Sim, é facto, eu sou um dos que tinham tudo para descambar para a banda podre, mas já vi gente boa decepcionar muito e gente de más tendências se controlar até o fim da vida. Mas... Livro? Só se eu sair catando textos no Palavra...

Lilly Rose disse...

Olá Amigo Nanael e New !!
New, lembrastes oportunamente de algo muito importante, a índole de cada pessoa!
Ela faz a diferença por certo sim. Pois como disse Nanael, eu também tive de tudo e mais um pouco p/ estabacar-me p/a banda podre, e nela não caí.

Tenho um miúdo e procuro ensinar-lhe aquilo que de bom ficou de minha criação junto a meu esposo.

Adorei esta: "O que é bom nasce feito, o que é ruim não tem jeito".

E Nanael, qdo te sentires inspirado juntas tuas Palavras sim e verás que Livro magnífico darás!!
Sobre as mágoas guardei-as , por tempo inútil obviamente, pois nada de positivo trouxeram a mim...

Mas hoje já deixei este fardo p/ trás. Graças a minha força de vontade, Fé e ao Amor por meu miúdo !!

Abraços a Ti Querido Nanael e a ti também New !!

Aromas de Rosas...

Lilly Rose

New disse...

Lilly Rose, obrigada, lidinha.
A vida nos ensina, enm que seja a observar.
É certo que se todos os desprovidos de uma vida cheia de fartura fossem certos para o mal, o mundo estaria perdido.
E nem só de exemplos se cria uma pessoa de caráter.

Quanto ao seu livro, Nanael, vamos juntar todos os seus textos pronto. Qual a dificuldade. Queres mais o quê?

Seria um sucesso.

Beijocas nos dois.

Nanael Soubaim disse...

Well, preciso de tempo para isto. Não esperem que na semana que vem eu conclua a seleção dos textos, meu tempo é muito fragmentado ao longo do dia.

Lilly Rose disse...

Boa Noite Querido Amigo Nanael !!

Sim é facto , só ele vale a pena!!!
E como !!!!!

Abraços Amigo !!!!!
C/ Carinho e Aromas de Rosas...

Lilly Rose :)