13/03/2010

Venceu? Para o lixo!


Medicamentos não são productos comuns, tanto que quase todos não podem ser devolvidos à drogaria ou à pharmácia, como se faria com um pacote de biscoitos. O estabelecimento pode aceitar o medicamento e trocá-lo por outro, mas não pode colocá-lo de volta para vender, precisa necessáriamente ser encaminhado para o descarte adequado: incineração. Terá que assumir o prejuízo.

Incinerar, aliás, é o único destino que temos para resíduos fármacos e cirúrgicos. Há empresas especializadas no assunto.

Um medicamento é um princípio activo altamente sensível ao ambiente e à temperatura, é praticamente impossível prever no que vai se transformar quando jogado no lixo comum. O certo é que vai poluir o solo imediatamente, assim que seu invólucro for rompido. Do solo segue para o lençol freático, contaminando a água que nós vamos beber. Desnecessário dizer que a evaporação tornará até mesmo o ar local tóxico.

A prefeitura de Goiânia fez, com alarde, uma campanha para o recolhimento de medicamentos vencidos. Em princípio todos os postos de saúde e a Vigilância sanitária recolheriam medicamentos de contribuintes para dar o destino correcto. Apesar do alarde a campanha não foi direcionada adequadamente e levou a imprensa a divulgar que seria só por um curto período, o que não era verdade, mas se tornaria logo em seguida.

Meses depois os postos de saúde já não "sabiam da campanha". Seus funcionários, que antes recebiam os resíduos da população, então nunca tinham ouvido falr a respeito. Restou a Vigilância Sanitária que, em um ano, também parou de aceitar.

Agora a parcela consciente da população, que infelizmente é pequena, terá que retomar o insalubre esquema de amarrar os medicamentos vencidos em sacolinhas e torcer para que a parte perigosa se degrade antes de o plástico ser dissolvido. Ou antes que a falta de cuidado dos operadores rasgue as sacolinhas.

Uma alternativa, para a clientela mais assídua e com alguma intimidade com o estabelecimento, é conversar com a administração da drogaria e ver se a empresa aceita receber o resíduo, para que seja incinerado junto com o deles. Acontece que isto custa dinheiro, será difícil para o cidadão comum conseguir essa cooperação, ao menos não sem fazer uma baita compra no lugar.

Ignorando que agentes patogênicos poderão ser beneficiados, com mutações de bactérias, bacilos mais resistentes, et cétera, a prefeitura vira as costas enquanto programa inalgurações barulhentas e fartamente coberta pela mídia.

Aos que reclamam, eles dizem para a pessoa fazer um contracto com a incineradora. Isso, como já disse, é caro. Não é para o cidadão de classe média, que custeia os programas assistencialistas do país. Imagine para quem supostamente seria assistido, talvez nem saiba que remédio pode fazer mal.

Conheço gente que estava recolhendo medicamentos da família inteira, para entregar nos postos de saúde, mas agora ficará sem ter o que fazer. Lhe direi para conversar com o gerente da drogaria da qual é cliente antiga e tentar um acordo. Aliás, é o que digo a todos vocês que não têm, como nós, um prefeito interessado na saúde pública e no meio ambiente. Provavelmente vocês se verão obrigados a comprar mais, não necesáriamente medicamentos, mas cosméticos, talcos, alimentos funcionais, enfim... Ficou para nós fazermos o trabalho do Estado, como sempre.

5 comentários:

Umbelina disse...

Boa tarde
Infelizmente é o preço que próprio povo paga por suas escolhas mal feitas (sinceramente, acho que não tem muito mesmo para se escolher neste cenário politico...)
Um abraço

New disse...

Medicamentos = máfia. Com a nossa política a coisa é pior do que se imagina.
Vim desejar-lhe boa semana também. E essa vai ser dose prá leão. correria total.
Beijos doces.

João de Deus Netto disse...

Nanael, daqui a pouco vou recolher pra mim um medicamento de nome "SoubaimBlogspot" para ver se cura a diarreia mental de alguns desafetos do meu JenipapoNews. Vai ter um link por lá.
Abração meu camarada.

Nanael Soubaim disse...

Hmm... Já vi que a hostilidade internautica bineural se tornou uma epidemia. É como diria Bezerra da Silva: "Você detrás do monitor é um bicho feroz, feroz, ao vivo anda rebolando e até muda de voz..."

New disse...

Meu querido amigo. Obrigada pela força e comentários (como sempre). De fato essa semana foi terrível.
Beijocas.